【ARTRITE REUMATOIDE】17 Incríveis Remédios Caseiros Baratos

 

 

 

Um em cada três americanos, mais de 100 milhões de pessoas, vive com dor crônica e cerca de 1,5 milhão de adultos têm artrite reumatoide (AR).

O custo para as pessoas que vivem com essa dor na sociedade, tanto em despesas diretas com saúde quanto com a perda de produtividade, agora ultrapassa 500 bilhões de dólares por ano.

Como pessoa com dor, você merece respostas, tratamento e suporte. Embora a dor crônica da RA seja complexa, você e seu profissional de saúde podem, em muitos casos, criar um plano que melhore sua qualidade de vida.

Se você está sofrendo de dor ou conhece alguém que é, considere estas quatro etapas.

→ PRINCIPAIS DICAS FINAL DO ARTIGO

 

Quer ver depoimentos e dicas sobre Articulações

Deixe seu comentário no vídeo abaixo!

Trabalhamos com amor e dentro do possível seu comentário será respondido!

Este conteúdo não substitui uma consulta medica!

#dietablogbr

(VÍDEO) → O Que Causa Dores nas Articulações ou Dor Articular e Sintomas?

 

1. Ouça seu próprio corpo

As causas da dor crônica são tão difundidas quanto o número de americanos que a experimentam e as lesões da doença podem variar, incluindo sintomas artrite reumatoide, câncer e doença cardíaca.

A dor é um sinal de alerta do seu corpo, e você deve obter respostas para si mesmo.

Uma visita ao seu médico é o primeiro passo para identificar a causa raiz da sua dor.

Se você tem vivido com dor há algum tempo, isso pode levar a um alerta à sua mente, bem como ao seu corpo.

Fale com seu profissional de enfermagem ou outro provedor para fazer um diagnóstico e iniciar um plano de tratamento para abordar os aspectos físicos e emocionais da sua dor, e também a condição subjacente.

2. Comunique-se com seu fornecedor

Para tratar a dor crônica, seu profissional de saúde precisa saber o máximo possível sobre como ela está afetando sua vida diária.

É essencial que pessoas com dor crônica mantenham um registro diário de saúde de seus sintomas de dor e padrões de sono para compartilhar com seu médico. Seu registro de saúde deve fornecer:

– Detalhes de seu nível de dor em diferentes momentos durante o dia (usando uma escala de 1-10).
– A localização física da dor no corpo.
– A frequência da sua dor.
– Informações sobre medicamentos que você esteja tomando, ou terapias alternativas que você esteja usando.
– Impacto da dor na sua capacidade de se envolver nas atividades da vida diária.

Dependendo da sua preferência, você pode manter um registro em papel ou usar uma das muitas aplicações disponíveis para smartphones. Certifique-se de poder compartilhar resultados com seu especialista.

3. Considere todas as opções de tratamento

Existem muitos tratamentos agora disponíveis que não existiam há vários anos.

Além da ablação por radiofrequência, remédios para dor, medicamentos de venda livre, analgésicos prescritos e ainda existem tratamentos sem drogas que demonstraram aliviar a dor crônica.

Dependendo da causa e dos sintomas da dor, é importante praticar estratégias como o exercício leve, moderado, a acupuntura, a massagem e a estimulação da medula espinhal.

A terapia comportamental cognitiva também pode ajudar os pacientes a desenvolver padrões de pensamento e comportamento que podem ajudar a reduzir a dor crônica.

4. Não tenha medo. Você nunca está sozinho!

Comunicar com outros que vivem com dor crônica pode ajudá-lo a se conectar com uma comunidade maior e ajudar a lembrá-lo de que você não está sozinho em sua dor.

Algumas comunidades defendem as pessoas que vivem com dor crônica para reduzir classes e vergonha, ao mesmo tempo em que ampliam o acesso a tratamentos eficazes.

A dor crônica pode ser parte de sua vida, mas não deve ser uma sentença de morte.

Junte-se aos outros para falar sobre sua dor e as soluções para combatê-la.

Seu profissional de saúde é seu parceiro em saúde e, juntos, vocês podem combater a dor crônica.

ATUALIZADO: 23.03.18

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *